Network Effect - Encruzilhada #5: Escolha de um companheiro de vida

Encruzilhada #5: Casamento / Escolha de um companheiro ou companheira de vida

por | out 13, 2021 | Marketing de Multinível | 0 Comentários

O casamento, ou a escolha de um parceiro ou parceira para a vida, é uma das decisões mais importantes que você toma na vida. Pode ser a fonte de sua maior alegria e/ou seu maior sofrimento em um nível muito pessoal. Em termos de modelo de rede, é poderoso porque você está escolhendo a rede inteira de outra pessoa para adicionar à sua. Essa pessoa também compartilhará com você o centro de sua hierarquia de rede.

Em muitos casos, essa pessoa gerará seus filhos com você. A paternidade/maternidade não apenas será o foco de muitas das energias em sua vida, mas toda a rede de contatos de seus filhos se somará à sua pelo resto de sua vida.

Os filhos são moldados pela maneira como você os educa como pai e mãe e, como vimos antes na discussão sobre família, eles são moldados pelas redes trazidas a eles por seus pais. Seus filhos entram e herdam parcialmente as redes de ambos os pais.

Para 60% das pessoas, a forma como você conhece seu parceiro ou parceira é determinada principalmente por quem você conhece e a quem é apresentado, embora isso esteja mudando com a camada de “rede digital de pessoas” que começa a quebrar redes geográficas e outras redes fechadas. Em 2017, 39% de todos os casamentos nos EUA tiveram origem em encontros online.

“É uma das mudanças mais profundas na vida nos Estados Unidos.” E o melhor exemplo do que esperávamos que a Internet pudesse fazer por muito tempo: passar de forças de redes não escolhidas, que restringem as opções, para uma rede digital global que empodera suas próprias preferências e ação.

Eu dirigia a maior empresa de busca de companheiros(as) e autoavaliação do mundo. Tínhamos 150 milhões de usuários e dezenas de testes de personalidade escritos por minha equipe de 5 especialistas com Ph.D. para ajudar as pessoas a se conectarem melhor. Também implementamos um site de buscas de namoro com 30 milhões de usuários que aproveitaram esses testes para encontrar pessoas. O que minha equipe me disse na época foi que os casamentos mais bem-sucedidos eram aqueles em que 1) as duas pessoas eram mais semelhantes e 2) tinham conexões de rede compartilhadas.

Isso significa que quando você está namorando alguém, você não está apenas namorando essa pessoa. Você está namorando suas redes – seus amigos, familiares e colegas. E vice-versa.

A compatibilidade entre duas pessoas em termos de suas características individuais às vezes é muito menos importante do que a compatibilidade entre suas redes. Esta é uma possível razão pela qual há uma taxa de divórcio surpreendentemente baixa entre os pares arranjados feitos apenas com base na compatibilidade entre redes de parentesco.

Embora o namoro online esteja ganhando força, encontrar-se por meio de amigos ainda é a maneira mais comum de conhecer alguém. Além disso, o que as estatísticas ainda não mostram é quantos dos 39% que se conheceram online já tinham redes de forte afinidade antes de se encontrarem online, e só precisavam encontrar um atalho no processo mais longo, pessoal, graças à camada de tecnologia para encontrar-se.

Então, como se encontra um cônjuge?

É aqui que o famoso trabalho de Mark Granovetter em The Strength of Weak Ties (A Froça dos Laços Fracos) entra em ação:

“Quanto mais forte for o vínculo entre duas pessoas, maior será a proporção de pessoas às quais ambas estarão vinculadas.”- Mark Granovetter

Diante disso, é provável que todos em seu “círculo íntimo” já se conheçam. Os amigos mais próximos que você tem, devido à estrutura dos grupos das redes sociais, terão um grau de quase 100% de sobreposição de rede com você.

Então, isso significa que seus amigos mais próximos geralmente são nós pobres em sua rede para perseguir interesses românticos. Existem duas possibilidades se você seguir esta rota:

  1. (Provavelmente) Seus amigos mais próximos não serão capazes de apresentá-lo a ninguém novo.
  2. (Muito improvável) Seus amigos próximos o apresentam a um(a) amigo/amiga próximo(a) que você não conhecia antes. Você acaba namorando e, na alta porcentagem de casos em que as coisas não dão certo, a reação negativa do relacionamento arruinado causa estragos em sua rede de contatos, forçando seus amigos a escolherem.

Isso não quer dizer que seja impossível que as pessoas se tornem amigas e depois se envolvam romanticamente. Mas, para conhecer alguém novo, os amigos no círculo interno de seu mapa de rede não são o lugar por onde começar.

É aqui que seus conhecidos, os laços fracos na camada externa de seu mapa de rede, se tornam vitais. Como sabemos pelo trabalho de Duncan Watts e Steven Strogatz, os conhecidos servem como “pontes” vitais entre grupos de redes fortemente entrelaçadas. Para as pessoas que procuram ser expostas a novas perspectivas de namoro, oportunidades de emprego, ideias, crenças ou estilos de vida diferentes do que estão acostumadas, não há melhor maneira de fazer isso do que por meio de um conhecido.

Perguntas inteligentes para se fazer quando você está solteiro e quer conhecer alguém:

  • Com qual conhecido você tem mais probabilidade de encontrar muitas pessoas com as quais é compatível? Nem todas as pessoas têm redes igualmente grandes, e algumas pessoas que você conhece podem ser “hubs” com grande número de conexões. Se você conseguir encontrar alguém assim, geralmente será muito útil para conhecer novas pessoas. Os hubs costumam ser fracamente vinculados com muitas turmas, grupos e sub-redes diferentes. Geralmente ficam felizes em fazer as apresentações.

Você se dá bem com os amigos do seu companheiro/sua companheira? Seus amigos se dão bem com eles? Se você leva seu relacionamento a sério, pondere se estaria disposto a trazer essas pessoas para sua vida. Nesse caso, é muito mais provável que seu relacionamento dure a longo prazo.

  • Você se dá bem com a família dele/dela? A importância dos sogros não deve ser subestimada. É fácil descartar isso em uma cultura que prega que o amor verdadeiro é tudo de que você precisa, mas a teoria das redes nos diz o contrário. Seus sogros são a rede central da pessoa com quem você estará mais próximo na vida. O que pode parecer um problema menor no início pode se transformar em problemas poderosos ao longo da vida.
  • Você está na mesma rede geográfica? Quando um casal tem problemas geográficos, seu relacionamento está sob tensão real.
  • Pode haver um revés se não funcionar? Todo mundo sabe por que é uma má ideia namorar um colega de trabalho ou outra pessoa que você pode ver regularmente, se terminar. As forças da rede são o motivo. O mesmo se aplica se você compartilha muitos amigos em comum, especialmente se você se divorciar. Você coloca seus amigos em uma posição em que eles devem escolher e corre o risco de perder alguns dos relacionamentos que construiu ao longo de sua vida. Não subestime esse risco.

Este artigo foi escrito por Jorge Aldrovandi, CEO da Babel-Team, empresa de consultoria e suporte tecnológico para o mercado de educação online no Brasil e LATAM, com base no artigo de James Courier. Jorge é Cofundador e CGO da BIGPROFY, plataforma digital de educação online com modelo de distribuição em rede multinível.

Jorge Aldrovandi

Como se contatar com:

Jorge Aldrovandi

Como empresário tenho uma enorme paixão por negócios.
E também pelo seu projeto.

QUER EMPREENDER?

Simplesmente, escolha um slot da sua conveniência
na minha agenda:

Link anterior da série > Encruzilhada # 4 – Primeiro trabalho

Próximo post da série > Encruzilhada #6: Onde você vive

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode estar interessado

Encruzilhada # 7: Reavaliações

Encruzilhada # 7: Reavaliações

A qualquer momento, você pode optar por reavaliar o curso da sua vida. A gravidade da rede tem aumentado desde o seu nascimento e fica mais forte com o tempo. Cada rede se agrega e se integra com as outras, mudando a matemática em seu quadro até que esteja perto do...

ler mais
Encruzilhada #6: Onde você vive

Encruzilhada #6: Onde você vive

O lugar onde você mora impacta fortemente os relacionamentos e a direção de sua vida, de maneiras que você pode nem perceber. Quando você sai da faculdade, isso é ainda mais importante para sua vida do que a escolha do trabalho. Conforme mencionado acima, a...

ler mais
Encruzilhada # 4 – Primeiro trabalho

Encruzilhada # 4 – Primeiro trabalho

As relações profissionais que você constrói no primeiro emprego são a semente da sua rede profissional que influencia a sua carreira, desde a forma como você pensa o trabalho, como as pessoas conhecem você, até a geografia em que você teve acesso ao trabalho com...

ler mais